Blog

Compactação de Íleo em Equino

Compactação de Íleo em Equino

FIGURA 1: Imagem ilustra compactação de intestino delgado (massa saindo da base do ceco).
O íleo é o sítio mais comum de compactação intraluminal do intestino delgado (FIGURA 1).
A Ingesta se acumula no segmento, causando obstrução. Contrações espasmódicas e absorção de água da luz ileal exacerbam a compactação.
Trombose vascular mesentérica, infestações parasitárias mesentéricas (Anaplocephala perfoliata) e compactação por ascarídeos (Parascaris equorum) são causas menos comuns.
Hipertrofia ileal deve ser considerado em cavalos mais velhos com história de desconfortos crônicos.
Os sinais clínicos são variáveis e dependem da duração da compactação, e incluem desconforto abdominal de moderado a severo por distensão focal, espasmos e contrações em torno da compactação. Os cavalos afetados geralmente têm uma resposta transitória a analgésicos.
A palpação transretal revela múltiplos segmentos de intestino delgado distendidos de forma moderada a severa. A avaliação precoce pode revelar uma massa de 5 a 8 cm de diâmetro, de superfície lisa originando na base do ceco, cursando a direita da linha média obliquamente para baixo e lado esquerdo.
A ultrassonografia transabdominal geralmente revela intestino delgado distendido com atonia ou segmentos com motilidade variável (IMAGENS 2 e 3).


IMAGEM 2: mostra segmentos de intestino delgado distendidos e em atonia.

IMAGEM 3: Mostra distensão de segmentos de intestino delgado e realização da mensuração do espessamento da parede intestinal (normal < 0,3 cm)
Refluxo nasogástrico pode estar ausente em estágios iniciais. Durante as 8 a 10 horas após o episódio inicial de cólica, o intestino delgado e distensão gástrica se desenvolvem e resultam em recorrência de sinais de dor e desidratação progressiva. A descompressão gástrica geralmente fornece alívio da dor.
Hemograma, análise de eletrólitos, gases sanguíneos e achados de abdominocentese frequentemente estão dentro do normal limites.
Hemoconcentração e aumento do nível de proteína do líquido peritoneal e contagem de células nucleadas ocorrem nas compactações de longa duração.
A Terapia inicial é de hidratação e correção eletrolítica (fluidos poliônicos balanceados como a solução de Ringer com lactato), descompressão gástrica, analgesia (alfa 2 agonistas com ou sem tartrato de butorfanol ou N-butilbrometo escopolamônio - Buscopan), monitoramento dos aspectos fisiológicos e parâmetros clínicos (frequência cardíaca, membranas mucosas e motilidade), dor, refluxo nasogástrico, hematócrito e proteína total.
Em alguns casos a intervenção cirúrgica se faz necessária, principalmente os de longa evolução.

Postado Por Equivet

Equivet
Hospital Veterinário 24 horas em Indaiatuba.

Gostou deste post? Deixe seu comentário